Pandemia e favelas no Rio de Janeiro

Levantamento sobre os impactos da pandemia nas favelas e periferias do Rio de Janeiro e as iniciativas locais de enfrentamento

Esse levantamento é fruto da articulação nacional de um grupo de organizações comprometidas com as lutas sociais com as quais o Observatório das Metrópoles (IPPUR/UFRJ) soma forças. Nosso principal objetivo é valorizar e potencializar as iniciativas locais, articulando informações sobre a situação do COVID-19 nas favelas e periferias na Região Metropolitana.

Buscamos apoiar as ações locais já em curso e levantar informações que sirvam de base para incidência política e exigibilidade de direitos humanos, somando esforços ao Dicionário de Favelas Marielle Franco, ao Br Cidades Rio de Janeiro, às ações da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro e demais parceiros que seguem juntos a esses objetivos.

Convidamos as organizações comprometidas com as lutas sociais no Rio para somarem a essa iniciativa!

Para acessar o link do QUESTIONÁRIO que pode ser preenchido por todas e todos: CLIQUE AQUI 

Para mais informações ou qualquer apoio necessário, o contato pode ser feito pelo e-mail: pandemia.favelas.rio@gmail.com

Articulação Nacional

A Articulação Nacional de Redes e Entidades da Sociedade Civil pelo combate ao Covid-19 nas Periferias e Grupos Vulnerabilizados reúne o Fórum Nacional de Reforma Urbana, o BR Cidades, o Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), o Observatório dos Direitos à Água e ao Saneamento (ONDAS), a Rede Observatório das Metrópoles, federações profissionais, ONGs e os movimentos populares nacionais, entre outras redes e articulações.

Esta ampla articulação vem buscando reunir informações sobre a ação do poder público no combate aos efeitos da Pandemia (Covid-19) a partir da vivência das comunidades e grupos mais vulneráveis. Os dados e as informações obtidas com esse levantamento irão embasar denúncias e iniciativas de incidência política no combate aos efeitos da Pandemia (Covid-19).

Para esse levantamento foram elaborados questionários adequados às realidades locais e direcionados para moradoras(es) de favelas, vilas, bairros populares, ocupações urbanas e rurais; comunidades tradicionais, indígenas e quilombolas, agricultoras(es), pescadoras(es), idosas(os) e pessoas com morbidades; população em situação de rua; ambulantes e trabalhadoras(es) do comércio informal; catadoras(es); população encarcerada, entre outros