Rede Nacional

O GT Habitação e Cidade integra a rede pesquisa do Observatório das Metrópoles,  espalhada por 16 cidades do país, contando com núcleos nas 5 grandes regiões do país, envolvendo cerca de 100 pesquisadores e 60 instituições em um projeto que reúne parceiros do campo universitário, governamental e não-governamental para pensar as metrópoles brasileiras e os desafios do desenvolvimento nacional. Uma das grandes vantagens desta maneira de se organizar a pesquisa é o uso de uma metodologia unificada, de modo que os resultados obtidos pelos diferentes núcleos podem ser comparados entre si de forma mais confiável, permitindo que se compreenda cada realidade específica em relação ao contexto geral, e que assim se identifiquem tendências convergentes e divergentes.

Além de reunir pesquisadores de diferentes partes do país reunimos também programas de pós-graduação de diferentes campos do conhecimento e diferentes estágios de consolidação, o que fortalece laços de cooperação e troca acadêmica, além de garantir um intercâmbio de práticas e experiências de pesquisa.

A rede tem como um de seus objetivos produzir conhecimento que possa subsidiar a ação tanto do governo, com pesquisas sobre formulação, implementação e avaliação das políticas públicas, quanto de movimentos sociais, com os quais estabelecemos parcerias para pensar planos de ação e estratégias possíveis. Os núcleos da rede também promovem eventos nos quais estão presentes academia, poder público e movimentos sociais, pensando e debatendo juntos os desafios das metrópoles. Para saber mais sobre como essas ações estão sendo desenvolvidas pelo GT Habitação e Direito à Cidade visite a página dos nossos projetos.

Desde 2017 o Observatório das Metrópoles integra o programa dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), através do projeto “As Metrópoles e o Direito à Cidade na inflexão da ordem urbana brasileira”, o que tem significado uma reorientação das linhas e pesquisa em função da hipótese da inflexão ultraliberal no Brasil e na ordem urbana das metrópoles. 

Quer saber mais sobre a rede? Visite o site do Observatório das Metrópoles